<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

quarta-feira, março 8

 

Boa viagem

1. Olhou para o seu coração de gelo. Percebeu que a morte o tocara desde o início do mundo, e que ele a desejara crescentemente. Sentiu que este desejo se intrincava obscura e essencialmente na sua existência. Era como se o mundo e todas as coisas e épocas se realizassem dentro desse desejo de temporalidade estrita. A confusão instaurou-se no seu pensar-se.

2. A larva desejando-se lagarta odeia-se como larva, inconscientemente; e a lagarta por sua vez desejando-se borboleta etc, conscientemente.

3. O espírito mágico escravizando o espírito científico. A finalidade da tecnologia não é o saber mas o poder, o domínio dos elementos e não o seu conhecimento. Este torna-se instrumento de domínio, secundário. Os instrumentos são substituíveis, desperdiçáveis; neste caso, a verdade torna-se desperdiçável, e a mentira expande a sua força fugaz em ilusões de esplendor. A felicidade associa-se aos electrodomésticos e aos ferraris, às opiniões ilustradas duma falsa democracia e ao conforto sem sentimento nem furor dos lares assépticos. Por outro lado, o domínio tende a destruir o indomável. Em última instância, a vontade de domínio aniquila todos os elementos não integráveis. Não somos pirosos: preferimos os telemóveis às flores.

4. Imaginou-se então espelho vivo em que o mundo se reflectia. O espelho produz a imagem das coisas e estas constituem-no constituindo-se nele. Percebeu que o espelho se desejava puro acto de reflexão, e que tendia a destruir todas as imagens nele reflectidas. Percebeu também que este gesto se traduzia num ataque às coisas, única maneira de anular as imagens destas.
Tornar-se-ia um espelho morto num mundo vazio.

5. Pensou confusamente: A tecnologia dum desejoso de morte é uma tecnologia para a morte, uma actividade dum ser em fuga da sua origem, em direcção a si próprio desligado. Em direcção ao nada. O desvario capitalista do lucro, assim como o desvario político do poder pelo poder, têm aqui a sua causa. Separada da sua origem humana distinta de si, toda a estrutura técnica se fundamenta no seu próprio sistema, e daí retira os seus processos e finalidades. A pá cava buracos em si-própria anulando o solo, ou se preferirmos: Édipo arranca os olhos, ou ainda: Adão e Eva caem em si.

6. Os adultos tornam-se coveiros da sua adolescência. Fixam-se definidos e caem no nada como figos podres. Não passamos de cáries nos dentes da vida.

7. A minha morte ilumina o mundo, repetiu. O mundo não me apareceria se. Este é o inevitável começo. Mas não condiciona o caminho.

8. Larva: cadáver vendo o mundo à luz do seu estado.
Lagarta: cadáver vendo o mundo à luz do seu desejo de vôo.
Borboleta: ser vivo olhando o mundo à luz da plenitude do seu vôo.

9. Qualquer mortal fundamentando-se em si é conduzido pela morte, e para esta dirigido.

10. As imagens são mortas; o acto de as produzir, vida.
O espelho ganha asas e chega às coisas.
Todo o ser dele se convulsionou como uma anémona chicoteada; o odor da flor evola-se no ar, sem a fenecer.

11. Pensava agora, talvez menos confusamente: Quedar-se num fim que não seja infinito como o amor ou a beleza e o terror, é quedar-se imóvel, fora da vida. Nas finalidades finitas, o quantitativo torna-se valor, e nenhum salto qualitativo ocorre, quer-se dizer, nenhum crescimento. Mais carros não são melhorias de transporte, nem mais amantes melhores amores; poluem mais, apenas isso. As tecnologias para a vida visam sempre o infinito; a leitura dum poema é infindável, assim como toda a relação amorosa.

12. Somos a imagem no espelho, mas o espelho não é a imagem em nós. Digamos que a imaginação por vezes supera os limites de quem imagina.

13. Quero ainda mais pirosice que os pirosos, disse ele, quero ainda menos pirosice que os não pirosos. Quero telemóveis em flor.

14. Olhou para os acusadores, os bota-exigências interiores e exteriores que não se implicam na culpa do mundo. E pensou: mas a inocência, acusa alguém? E a culpa, quem senão o próprio a pode assumir? Deixemo-nos de lições de moral, diz o poeta. A ética é uma acção amorosa, não é um colete de legislação. A moral sem metafísica é tão cega como o bom-senso perante a paixão. E, como se sabe também, todo o discurso verdadeiro é interior, e dele brotam actos e estados. Digamos que é anti-ético a fala não implicar o falador.

14. Olhou para o seu coração de fogo. Percebeu que a vida o tocara desde o início do mundo, e que ele a desejara crescentemente. Sentiu que este desejo se intrincava obscura e essencialmente na sua existência. Era como se o mundo e todas as coisas e épocas se realizassem dentro desse desejo de infinito. O delírio instaurou-se no seu pensar-se.

15. Pois então: Amemos, e sejamos belos, amedrontados e confusos. A abrir. Comme aux enfers, comme chez les anges, como flores e borboletas e telemóveis. E boa viagem.


Vítor Mácula (SER CRISTÃO)

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?