<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

segunda-feira, agosto 1

 

Maria da Conceição. Olhares sobre a Igreja – Eucaristia. Segunda-feira, Julho 4. 2005.

Termina no próximo mês de Outubro, o ano dedicado à Eucaristia (Outubro 2004 – Outubro 2005). Instituído pelo Papa João Paulo II, pretendeu ser um tempo forte de reflexão e de vivência deste sacramento da Igreja. Houve da parte do Santo Padre empenho em produzir documentação que ajudasse à reflexão, e que seguindo os canais próprios chegasse a todas as igrejas particulares e comunidades eclesiais.
A Encíclica Ecclesia de Eucharitia reflecte sobre aquilo que chama a “fonte” e o “ápice” de toda a vida cristã, convidando-nos a um renovado fervor na celebração da Eucaristia. Diz-nos João Paulo II, na começo do referido documento que “a Igreja vive da Eucaristia”.

Vamos então ver porquê e como:
A centralidade da Eucaristia mergulha-nos no mistério de Cristo: Ele deu a vida para nos salvar. Sempre que celebramos a Eucaristia, não estamos a recordar um facto passado, mas a “actualizar” uma realidade que permanece eternamente. Cada vez que celebramos a Eucaristia tornamos actual, o sacrifício de Cristo. Em cada Eucaristia torna-se presente, o sacrifício da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Eucaristia quer dizer acção de graças, é o significado da palavra em grego. Usando a expressão sacrifício de acção de graças, estamos a dizer que tudo nos vem de Deus. Quando celebramos a Eucaristia estamos a reconhecer que tudo o que temos e somos, tudo o que nos rodeia (a natureza), nos é ofertado por Deus, e em, por e com Jesus Cristo queremos por nossa parte oferecer em oblação.
Tudo isto, implica uma consciencialização da nossa parte, de que o acontecimento semanal da celebração da Eucaristia, não é um acto isolado na nossa vida. Em cada Eucaristia, nós em Jesus Cristo, assumimos que queremos ser de Deus; que oferecemos os nossos trabalhos, as nossas alegrias, as nossas dores, as nossas lutas, os nossos fracassos, enfim as nossas vidas, e queremos que Deus as divinize.

À Eucaristia chama-se também “fracção do Pão”. O pão que é um alimento vital para o homem, tem na Eucaristia duas simbologias muito importantes e indissociáveis. A primeira é a de que não podemos viver e crescer na nossa vida em Deus, se não nos alimentarmos deste pão que nos vem do Céu (Mt 4, 4) “Nem só de pão vive o homem...”, (Jo 6,35) “Declarou-lhes, pois, Jesus: Eu sou o pão da vida, o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede”. A segunda, é a dimensão da partilha desse mesmo pão. Do pão que é essencial para a vida dos homens e que se traduz em todas as necessidades básicas do Homem, para viver dignamente: educação, saúde, habitação, trabalho, direito à cultura...
De Jesus Cristo recebemos o exemplo disso mesmo. Antes de se sentar para realizar o gesto da Ceia, tinha toda uma vida de entrega. Com os discípulos, com os marginalizados, com as multidões “famintas” que o seguiam, deu-se em gestos de partilha. O gesto último do seu sacrifício na cruz, foi o culminar de toda uma vida feita serviço. Não poderá ser para nós, outro o caminho.

De todas as realizações pastorais, neste ano dedicado à Eucaristia, temo que fiquemos apenas na valorização dos aspectos rituais e cultuais do sacramento, e não lhe demos esta dimensão de partilha. Para muitos cristãos e pastores é mais fácil o empenho na devoção eucarística, do que assumir a vivência da Eucaristia, como fonte eficaz de transformação da sociedade. Não é possível haver verdadeira devoção eucarística, se separada desta partilha de vida e de pão.

[JARDIM DE LUZ]

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?