<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

quarta-feira, março 23

 

As Últimas Ceias que nos provocam


A arte tem destas coisas. Uma representação em palco, uma imagem fotográfica, um sktech humorístico, o movimento de um filme, a luminosidade de um quadro ou (suprema blasfémia?) o mediatismo de uma campanha publicitária podem provocar-nos – a arte deve sempre provocar, creio. Os gostos discutem-se, não se impõem. E, no caso da representação da Última Ceia, que aqui se mostra, há ali motivos para uma reflexão, como aliás instigou o nosso amigo Lutz. Como houve com Caravaggio, quando pintou – com escândalo – uma Nossa Senhora com o corpo e rosto de uma prostituta. Abençoada mulher!

A Igreja oficial não reagiu bem. Como agora em Itália e França, em relação à campanha de Marithé e François Girbaud. Como já não tinha reagido bem a “Je vous salue, Marie” ou à “Última Tentação de Cristo” e, pior ainda, à representação humorística de “A Última Ceia” e da “Rainha Santa Isabel”, por Herman José. Ou agora com o “Código Da Vinci” a merecer reparos públicos do Vaticano, como se de um ensaio se tratasse. Valerá a pena? Acho que não – valeria a pena, suscitando a discussão sobre a Arte, promovendo a reflexão da Beleza, não “batendo-por-bater”. Porque, por oposição, a Igreja nunca critica a fealdade das novas igrejas, não censura coros que assassinam a liturgia e fazem corar Gregório, não critica uma oratória sem rasgo nem chama.

Bettina Rheims crucificou uma mulher. Agora a campanha da M+FG feminiliza a ceia – apóstolas e a filha de Deus. No fundo, Deus e o seu filho são humanizados – homem e mulher. E assim o encontro da história faz-se no reconhecimento de uma cena familiar.

Na Páscoa, são mulheres que já não encontram o corpo do Ressuscitado – as primeiras testemunhas da libertação. A Arte traz a mulher para o centro, para nos recordar que a Criação não se fez apenas à imagem e semelhança do homem. De uma vez por todas, resgate-se Eva do purgatório. E aceite-se os caravaggios de hoje, mesmo se não gostamos. Talvez ali se descubram novos caminhos de entender Deus – e de viver a Sua Páscoa.

Miguel Marujo [CIBERTÚLIA]

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?