<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

segunda-feira, dezembro 20

 

Evolução tecnológica

NOTA: O texto seguinte é um excerto de documento publicado pela Comunidade Internacional Bahá'í, intitulado "Quem está a escrever o futuro?". Trata-se de uma reflexão sobre a evolução da humanidade ao longo do século XX à luz dos ensinamentos de Bahá'u'lláh. Devido a extensão do documento, este será publicado gradualmente. Os subtítulos, as frases a bold, e entre parentesis recto, assim como algumas notas são da minha responsabilidade.
-----------------

Durante estas décadas críticas, a mente humana experimentava também mudanças fundamentais no modo como compreendia o universo físico. A primeira metade do século viu as teorias da relatividade e da mecânica quântica – ambas intimamente ligadas à natureza e funcionamento da luz – revolucionar o campo da física e alterar todo o curso do desenvolvimento científico. Tornou-se evidente que a física clássica só conseguia explicar fenómenos dentro de um âmbito limitado. Tinha-se, repentinamente, aberto uma nova porta para o estudo tanto dos ínfimos constituintes do universo como dos seus grandes sistemas cósmicos – uma mudança cujos efeitos ultrapassaram largamente o campo da física, abanando os fundamentos de uma mundividência que tinha dominado o pensamento científico durante séculos. Para sempre abolidas foram as imagens de um universo mecânico, governado como um relógio, e a presumida separação entre observador e observado, entre mente e matéria. Tendo como pano de fundo os estudos de longo alcance assim tornados possíveis, a ciência teórica começa agora a investigar a hipótese de que a finalidade e a inteligência sejam, de facto, intrínsecas à natureza e ao funcionamento do universo.
No despertar destas mudanças conceptuais, a humanidade entrou numa era em que a interacção entre as ciências físicas – física, química e biologia, juntamente com a ciência nascente da ecologia – abriu possibilidades de cortar a respiração para a melhoria da qualidade de vida. Os melhoramentos em áreas tão vitais de preocupação como a agricultura e a medicina tornaram-se fortemente evidentes, assim como outros originados pelo sucesso da identificação de novas fontes de energia. Simultaneamente, o novo campo da ciência de materiais começou a produzir uma riqueza de fontes especializadas, desconhecidas no início do século – plásticos, fibras ópticas e fibras carbónicas.
Tais progressos a nível da ciência e da técnica produziram efeitos recíprocos. Grãos de areia – o mais humilde e ostensivamente insignificante dos materiais – metamorfosearam-se em películas de silicone e vidro opticamente puro, tornando possível a criação de redes de comunicação mundiais. Isto, juntamente com a difusão de sistemas satélite cada vez mais sofisticados, começou a facilitar, a todas as pessoas, sem distinção, o acesso ao conhecimento acumulado de toda a raça humana. Torna-se evidente que as décadas imediatamente à nossa frente assistirão à integração das tecnologias ligadas ao telefone, à televisão e aos computadores num sistema único e unificado de comunicação e informação, cujos aparelhos de baixo custo estarão massivamente disponíveis. Seria difícil exagerar o impacto psicológico e social da substituição antecipada da mistura de sistemas monetários existentes – para muitos, o último reduto do orgulho nacionalista – por uma única moeda mundial, operando grandemente através de impulsos electrónicos.
De facto, o efeito unificador da revolução do séc. XX não é mais visível em qualquer outro lado do que nas implicações das mudanças que se concretizaram na vida científica e tecnológica. Ao nível mais óbvio, a raça humana está agora munida com os meios necessários para concretizar os objectivos visionários a que faz apelo uma consciência gradual e sistematicamente amadurecida. Vista mais cuidadosamente, esta capacitação é potencialmente acessível a todos os habitantes da terra, sem discriminação de raça, cultura ou nação."Uma vida nova", Bahá'u'lláh viu profeticamente "está, nesta era, a vibrar em todos os povos da terra; contudo ninguém lhe descobriu a causa nem percebeu o motivo."[1] Hoje, passado mais de um século após o registo destas palavras, as implicações daquilo que desde então tem acontecido começam a tornar-se claras para mentes reflexivas por todo o mundo.
------------------
Notas
[1] - Bahá'u'lláh, Selecção de Escritos de Bahá’u’lláh, XCVI


Marco Oliveira [POVO DE BAHÁ]

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?