<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

quarta-feira, outubro 6

 

Breve texto sobre a dificuldade da oração

Houve um tempo em que a oração era mecânica, coisa aprendida na catequese de raras dúvidas e absolutas certezas.
Houve um tempo em que a oração era emotiva, coisa vivida em encontros de jovens que despertavam para a intimidade e para a poesia.
Houve um tempo em que a oração era acção, coisa experimentada num movimento que privilegiava o ver-julgar-agir.
Hoje há um tempo em que a oração não nasce. Em tempos alguém dizia, e eu repetia, que a minha vida seja uma oração. Mas a vida não se compadece com tempos para reflectir e de nada nos valem as trovas do vento que passa. O vento sopra fraco e nem pela brisa da tarde sentimos Deus a passear.
Leio as palavras que os meus amigos da Terra vertem aqui e sinto um sobressalto - pela alegria, pela dúvida, pela provocação, pela história, pela memória, pela contemplação, pela poesia: a oração em cada um deles, em cada um dos seus textos.
A mim, quem me dera saber fazê-lo. Parar para escutar, saber ouvir, poder contemplar. Descreio. Queria, nestes tempos sem oração, sem que a oração nasça comigo, poder ser - à imagem de Francisco de Assis - «um instrumento de paz». Mas é difícil. Todos os dias fazer a paz, quando nos confrontam, nos insultam ou nos encorajam a aplaudir os senhores da guerra. Todos os dias cansa.
«
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvida, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz!
Ó Mestre,
Fazei que eu procure mais.
Consolar, que ser consolado.
Compreender, que ser compreendido.
Amar, que ser amado.
Pois é dando, que se recebe.
É perdoando, que se é perdoado e
é morrendo, que se vive para a vida eterna.
»

Um dia, M. entrou na basílica de Assis. E ela que não crê escreveu-me que ali se tinha sobressaltado. Se fosse possível uma réstia para mim e para este nosso tempo...

Miguel Marujo [CIBERTÚLIA]

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?