<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

quarta-feira, julho 28

 

E SE DEUS FOSSE DE FÉRIAS?

Na cabeça de qualquer destinatário (aqueles que pregam é o destino! com toda a força), o argumento para este filme era simples. Na linha de qualquer "blockbuster" apocalíptico de Hollywood anunciaria o fim do mundo em pinceladas de terror, drama, tragédia, com uma pitada de amor e um arremesso de gesta heróica do protagonista de serviço. Deus estava de férias, sem que nada o atormentasse. Porventura, a gozar uma das últimas delícias do mundo não habitado, sem turistas nem aventureiros. Deus estava de férias - e o homem entregue ao seu destino tornaria realidade o "remake" de má qualidade daquele "blockbuster".
Na cabeça de muitos não crentes, Deus já foi de férias há muito. Se Deus fosse Deus, dizem, se existisse mesmo, nada de Mal existiria no mundo. Deus não permitiria o Holocausto, as guerras, o genocídio no Darfur, a morte em Telavive ou Gaza, o terror do 11-M ou do 11-S. Deus não permitiria homens maus, não deixaria que a morte roubasse quem amamos no momento mais inesperado.
Entre os destinatários e estes fatalistas (ou, numa imagem grosseira, mas que me diverte: uns "neoliberais", que acham que o mercado é senhor e nós pouco podemos fazer, outros "intervencionistas" que esperam tudo do Estado-deus), as diferenças serão poucas. Afinal, ambos acreditam no destino, num deus-machina, que do alto (é sempre lá no alto, não é?) controla as nossas vidas, o momento da morte, o instante da glória. Como se este deus condenasse um pobre a ser pobre eternamente (infelizes os idiotas que acham que os pobres devem ser "mantidos" nos reinos da terra). Como se deus pudesse desejar um círculo vicioso de guerra no Médio Oriente. Ou nos Grandes Lagos. Ou na floresta colombiana. Ou no Sudão.
Deus não destina as nossas vidas. Deus não intervém para combater o Mal. É o homem e a mulher que decidem dos seus caminhos. Não é o deus de Bush nem o deus de Bin Laden que decidem partir para a guerra. É Bush e Bin Laden que a fazem. Em nome deles próprios, não de um qualquer deus.
Deus não quer saber se partimos hoje um braço ou nos zangámos com a nossa namorada ou se defendemos o penalti para ir a pé a Fátima. Deus tem mais do que pensar. Tem de ir férias. Aliás, já foi de férias. Mas não se esqueceu de nós, de cada um de nós. «Interrogado pelos fariseus sobre quando chegaria o Reino de Deus, Jesus respondeu-lhes: "O Reino de Deus não vem de maneira ostensiva. Ninguém poderá afirmar: ‘Ei-lo aqui’ ou ‘Ei-lo ali’, pois o Reino de Deus está entre vós."» [Lc. 17, 20-21]

Miguel Marujo (CIBERTÚLIA)

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?