<$BlogRSDURL$>

 

 

 

   

 
 

terra da alegria


 
 
timshel guia dos perplexos cibertúlia poesia distribuída na rua a bordo baixa autoridade
 
     

segunda-feira, julho 26

 

DIREITOS HUMANOS

Os prémios Nobel são atribuídos a pessoas que se destacam em diferentes áreas das actividades humanas e merecem nossa atenção; todos os anos se falam em candidatos; E quando os nomes escolhidos são anunciados surgem as reacções de pessoas que os conhecem ou que conhecem o seu trabalho.
O Nobel da Paz é talvez o que desperta mais atenção. De alguma forma, este prémio tem sido usado para chamar a atenção da comunidade mundial para problemas de alguns povos ou sociedades. Em alguns casos, consegue ser uma alavanca para a resolução de problemas relacionados com a paz e o bem-estar dos povos.
Quando o prémio foi atribuído a Ximenes Belo e a Ramos Horta, a Comunidade Internacional passou a prestar muito mais atenção ao problema de Timor-Leste. Passados alguns anos, Timor alcançava a desejada independência. Quando em 1992, o prémio foi atribuído a Rigoberta Menchu, a questão dos índios da Guatemala era um tema desconhecido da comunidade internacional. Neste ano o Relatório do Desenvolvimento Humano dedica atenção à população indígena da Guatemala e assinala alguns progressos na sua situação. (p.96 RDH-2004)
No ano passado, este prémio foi atribuído a Shirin Ebadi, uma advogada iraniana, tida como activista dos direitos humanos naquele país. É natural que algumas pessoas alimentem expectativas sobre eventuais mudanças naquele país.
O Irão é daqueles países cujas notícias acompanho com interesse; foi ali que nasceu a religião Bahá'í. Confesso que nunca tinha ouvido falar desta advogada. Lembro-me do seu discurso de aceitação do prémio (achei-o espantoso!); mas pouco mais sei sobre os seus ideais. Já vi referências elogiosas e comentários negativos a seu respeito.
Recentemente encontrei este texto de sua autoria que me parece merecedor de maior divulgação:
As pessoas são diferentes, como diferentes são as suas culturas.
As pessoas vivem de modos diferentes e as civilizações também diferem.
As pessoas falam em várias línguas.
As pessoas são guiadas por diversas religiões
As pessoas nascem com cores diferentes e muitas tradições influenciam a sua vida, com cores e sombras variadas.
As pessoas vestem-se de modo diferente e adaptam-se ao seu ambiente de forma diferente.
As pessoas exprimem-se de modo diferente, A música, literatura e a arte também reflectem estilos diferentes.
Mas apesar dessas diferenças, todas as pessoas têm em comum um atributo simples: são seres humanos, nada mais, nada menos.
E por mais diferentes que sejam, todas as culturas incluem certos princípios comuns.
Nenhuma cultura tolera a exploração de seres humanos.
Nenhuma religião permite que se mate o inocente.
Nenhuma civilização aceita a violência ou o terror.
A brutalidade e a crueldade são horríveis em todas as tradições.

Em suma, estes princípios comuns, que são partilhados por todas as civilizações, reflectem os nosso direitos humanos fundamentais. Esses direitos são muito apreciados e acarinhados por toda a gente, em toda a parte.
Assim, a relatividade cultural nunca devia ser usada como pretexto para violar os direitos humanos, uma vez que estes direitos incorporam os valores mais fundamentais das civilizações humanas. É preciso que a Declaração Universal dos Direitos Humanos seja universal, aplicável tanto a Leste como a Oeste. É compatível com toda a fé e religião. Fracassar no respeito pelos direitos humanos só mina a nossa humanidade.
Não destruamos esta verdade fundamental; se o fizermos, os fracos não terão uma alternativa.

Marco Oliveira (POVO DE BAHÁ)

sementes da terra
 
mail
 
 
anteriores
04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
09.2004
10.2004
11.2004
12.2004
01.2005
02.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
09.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
12.2006
 

 

 
 

terra da alegria. 2004.


 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?